Kansas City Chiefs x San Francisco 49ers

NFL – Super Bowl LIV – 02/02 às 20h30

Às 20h30 (Brasília) deste domingo acontece no Hard Rock Stadium o confronto entre Kansas City Chiefs e San Francisco 49ers válido pelo Super Bowl LIV. De acordo com as casas de apostas, Chiefs é favorito na grande final.

Kansas City Chiefs

Uma temporada após ter sido eliminado no AFC Championship por Tom Brady & Cia numa prorrogação onde sequer tiveram a chance de atacar, Kansas City retornou à final de sua conferencia e dessa vez foi capaz de garantir sua presença na grande decisão da NFL. Andy Reid tem em Miami a oportunidade de conquistar seu primeiro título como head coach desde que se tornou treinador principal na liga em 1999 e tem ao seu lado um dos melhores quarterbacks dos últimos tempos.

Andy Reid e Patrick Mahomes tentam iniciar dinastia em Miami (Foto: Cary Edmondson/USA TODAY)

O mês de setembro foi impecável para Kansas City. Quatro jogos, quatro vitórias. Entretanto, a equipe viu sua campanha piorar, conforme piorava a lesão no joelho do QB Patrick Mahomes, que precisou passar algumas semanas ausente se recuperando. O quarterback voltou na semana 10, quando o time já estava com campanha de 6-3, e perdeu em seu retorno para o Tennessee Titans, com KC perdendo então quatro dos seis jogos que tinha disputado desde setembro.

As coisas mudaram após a derrota em Nashville, mais precisamente a defesa. Nas seis partidas restantes de seu calendário, a franquia venceu todos os jogos por mais de 7 pontos de vantagem no placar final, com a defesa deixando de ser uma das piores da liga para performar em altíssimo nível. Chiefs encerrou seu calendário regular com 12 vitórias e 4 derrotas, o título da AFC West pelo segundo ano consecutivo e a segunda colocação geral da conferencia americana.

Com folga no Wild Card Round, Kansas City passou duas semanas descansando e se preparando para seu primeiro compromisso em janeiro, que viria a ser um jogo histórico contra o Houston Texans. Os texanos abriram 24-0 em menos de 20 minutos de jogo, e ainda no segundo quarto alguns torcedores do Chiefs já abandonavam o Arrowhead Stadium, mal sabendo que não iriam presenciar a maior virada da história de Kansas City. Mahomes & Cia fizeram 51 pontos nos 40 minutos seguintes, e a defesa cedeu apenas 7 pontos no período.

Com o triunfo, Chiefs chegou no AFC Championship como favorito por 7.5 pontos diante de um Tennessee Titans que tinha ganho os seus dois jogos nos playoffs como underdog e já estavam prontos para ampliar essa sequencia, quando abriram 17-7 de vantagem na final da AFC ainda no segundo quarto. E o mesmo aconteceu: de maneira triunfal, Mahomes registrou quatro touchdowns enquanto a defesa cedeu apenas dois, com KC virando a partida e erguendo o Lamar Hunt Trophy.

Ofensivamente, acredito que não restam dúvidas de que o forte da equipe seja o jogo aéreo. O time tem o MVP da temporada passada under center, wide receivers velozes como no wideout WR Tyreek Hill e no WR Sammy Watkins, além do TE Travis Kelce ser um dos melhores tight ends da NFL nesse momento. É um grupo que consegue avançar em campo com velocidade, no melhor estilo two minute drill, mas que ainda enfrenta dificuldades no jogo terrestre. Foram uma das onze equipes da temporada a ter média inferior a 100 jardas terrestres por jogo e durante os playoffs o RB titular Damien William não passou das 50 jardas terrestres em nenhum embate, mesmo correndo 29 vezes no total.

A defesa encerrou 2018 com vários buracos e precisando urgentemente de upgrades. Em troca com o Seattle Seahawks, conseguiram DE Frank Clark — que liderou KC em sacks na pós-temporada com 4 — e no free agency assinaram com SS Tyrann Mathieu — líder do time em interceptações durante o calendário regular. As coisas não estavam funcionando bem para essa unidade, até que chegou a bye week na semana 12. Depois disso, Chiefs passou a ter média de 10,4 pontos cedidos por jogo. Jogam num 4-3 hibrido.

Acharam mesmo que Mahomes não iria ter um espaço nesse prognóstico? Estamos falando do melhor lançador da NFL na atualidade. O camisa 15, em apenas 35 jogos na carreira, já soma 87 touchdowns aéreos. Nos dois jogos desta pós-temporada, TD-INT de 8-0 e analisando as filmagens da sideline do Chiefs, grande responsável por motivar e liderar os dois comebacks. É um jogador diferenciado, que certamente terá muitas aparições em Super Bowl ao longo de sua carreira.

Mahomes é um quarterback de spread offense, que trabalha no conceito air raid desde a época em que jogava na universidade de Texas Tech. Reid deu ênfase a esse conceito na unidade ofensiva do Chiefs em 2018, conceito esse que geralmente funciona com quatro recebedores e um back, e o sucesso vem sendo notório. O quarterback venceu o prêmio de MVP em sua primeira temporada como titular e se não fosse os jogos que foi desfalque neste ano, certamente estaria brigando novamente pelo titulo.

  • Mahomes ser Mahomes

O jogo terrestre do Chiefs não vai mudar da água pro vinho em apenas duas semanas, muito difícil que isso aconteça. Dessa forma, o jogo aéreo da equipe certamente vai precisar ter um papel fundamental na performance ofensiva de Kansas City no domingo. E o principal nome por trás disso é o de Mahomes, que enfrentará uma das melhores defesas da NFL e precisa manter a alta produção se quiser fornecer ao seu time boas chances de vitória.

Patrick Mahomes é a principal arma do Chiefs (Foto: Reprodução Twitter/Around The NFL)
  • Andy Reid precisa controlar melhor o jogo

Reid é uma das melhores mentes ofensivas da liga já há alguns anos, mas também é conhecido por suas fraquezas em controlar o jogo e relógio, além de ser pouco agressivo em jogadas chave. Reid se desespera com facilidade e comete erros com maior frequência em comparação com outros treinadores que também estão no mesmo patamar “elite” do head coach de KC. É de extrema importância que tome as decisões corretas no Super Bowl LIV.

  • Chiefs não pode continuar cometendo erros nas três fases do jogo (principalmente no inicio dos confrontos)

É um absurdo pensar que um time chegue no Super Bowl cometendo erros nas três fases do jogo, mas aqui está o Chiefs. Somando o placar do primeiro quarto do Divisional Round e do AFC Championship, Chiefs perdeu por 31-7. Sei que conseguiram virar ambos os jogos, mas essa sorte acaba uma hora. Foram diversos three-and-out no ataque, a defesa com erros grotescos de cobertura e o special teams sofrendo turnovers. Depois de cinco meses de football — sete meses se considerarmos desde training camp — é feio ver erros como os que Kansas City vem cometendo.

San Francisco 49ers

49ers se tornou o terceiro time na história da NFL a conquistar vaga no Super Bowl um ano depois de registrar uma temporada com quatro ou menos vitórias. A equipe, que viu seu franchise quarterback romper os ligamentos do joelho e precisar se ausentar por todo 2018, conseguiu um pass rusher de alto nível no Draft e foi capaz de se tornar uma das melhores equipes da liga, tendo agora a oportunidade de erguer seu sexto Vince Lombardi Trophy.

San Francisco 49ers vai em busca de seu sexto Vince Lombardy Trophy (Foto: USA TODAY)

Os primeiros dois meses foram simplesmente perfeitos para San Francisco. Oito jogos e oito vitórias, já despontando nas casas de apostas como um dos favoritos dentro da conferencia nacional. A segunda metade do calendário regular dos californianos foi um dos mais difíceis da liga, enfrentando Seattle Seahawks duas vezes, Green Bay Packers, New Orleans Saints, Baltimore Ravens e Los Angeles Rams, e ainda assim conseguiram encerrar 2019 com campanha de 13 vitórias em 16 confrontos, garantindo a primeira colocação da NFC e folgando na primeira rodada dos playoffs.

Vale destacar a forma que 49ers conseguiu uma campanha tão boa sem precisar chegar em dezembro com o departamento médico cheio, ou overload de snaps em playmakers. A chegada do WR Emmanuel Sanders no trade deadline contribuiu muito para o crescimento do corpo de recebedores do time, enquanto que defensivamente a chegada do DE Nick Bosa — segunda escolha geral do Draft — fez a defesa de San Francisco mudar completamente sua cara. Terminaram a temporada regular como o segundo ataque com mais pontos marcados da NFL, e como o quinto que menos cedeu pontos.

Após a folga no Wild Card Round, os Niners receberam no Levi’s Stadium um Minnesota Vikings que vinha de triunfo em plena Louisiana. A expectativa era de um jogo relativamente acirrado, só esqueceram de avisar isso para os mandantes, que venceram por 27-10 num jogo onde dominaram os adversários do kickoff inicial até o último snap.

No NFC Championship, também em casa, jogaram contra o Green Bay Packers e venceram por 37-20 num jogo muito semelhante a semana anterior, pura dominância do começo ao fim. O ataque avançando com extrema facilidade e a defesa tirando o pé do acelerador apenas no garbage time. Ergueram o George Halas Trophy sem nenhum “sufoco”, simplesmente jogando bem nas três fases do jogo e conseguindo tirar proveito dos erros adversários.

49ers encerrou o calendário regular sendo o time da NFC com maior equilíbrio no playcalling. 50.8% das jogadas ofensivas foram aéreas, e 49.2% terrestres. É um time que tem na sideline um offensive minded head coach, que ao meu ver foi o melhor treinador do ano. Antes do inicio da temporada, diversos jogadores do time expressavam em entrevistas durante o training camp a forma que estavam maravilhados com a genialidade do HC Kyle Shanahan, e vimos isso nos meses seguintes. Perfeição no conceito de inside zone, e isso possibilita trabalhar o play action tendo bem mais chances de sucesso. QB Jimmy Garoppolo teve média de 252 jardas por partida e TD-INT de 27-13, aproveitamento excelente de quase 70% nos passes, enquanto que o backfield produz 155 jardas corridas por embate.

A defesa do coordenador Robert Saleh foi, ao meu ver, a mais consistente no ano. Essa equipe se reforçou incrivelmente bem na off-season. Além do já destacado Bosa, assinaram com LB Kwon Alexander e fizeram a opção do quinto ano no contrato do DE DeForest Buckner. Esses jogadores citados, junto com LB Fred Warner, LB Dre Greenlaw e DE Arik Armstead, somaram para 407 tackles, 31 sacks e 9 fumbles forçados. É, sem dúvidas, o melhor front-7 da NFL. A secundária tem o experiente CB Richard Sherman, um dos melhores cornerbacks jogando em zona, além FS Jimmie Ward vir de sua melhor temporada como profissional. Saleh faz esse grupo jogar num 4-3 under/over hibrido .

Apesar da linha defensiva do 49ers ser a unidade que mais me empolga neste time, preciso dar crédito a linha ofensiva da equipe. Acredito que nas últimas 6 semanas, foram a principal engrenagem da franquia californiana e estão conseguindo performar de maneira impecável.

É absurdo como eles conseguem fazer o jogo terrestre fluir tão bem, e não é a toa que o jogo corrido do time é top-5 em jardas por corrida e na frequência em chegar no segundo nível da defesa (corridas de 5 a 10 jardas) , além de ser top-3 em colocar seu corredor em open field (corridas de 10 ou mais jardas).

LT Joe Staley cedeu apenas 2 sacks nos últimos 9 jogos além de ser um grande responsável pelo sucesso do outside zone de San Francisco, nenhum jogador marcado pelo G Ben Garland sequer tocou no Garoppolo desde a semana 14 e TE George Kittle, além de todo seu potencial no jogo aéreo, é conhecido desde a sua época na universidade de Iowa por suas habilidades em abrir gaps para o jogo terrestre. Vale destacar que Kittle foi eleito pelo Pro Football Focus como o melhor jogador da temporada, e não o QB Lamar Jackson (BAL).

  • Manter sua dominância nas trincheiras

Um fator chave para o sucesso expressivo do 49ers nesta pós-temporada foi a forma como venceu a batalha nas trincheiras, tanto na linha ofensiva quanto defensiva. Foram 3 sacks cedidos no ataque, e 9 sacks conquistados na defesa. Acredito que esse seja o ponto chave da “formula” que Shanahan tem toda semana em seu gameplan, e não vejo ele sem dar ênfase a esse ponto durante o Super Bowl LIV. A linha ofensiva tem que manter o jogo terrestre fluindo, caso contrário colocarão o jogo nas costas do Garoppolo, e a linha defensiva tem que conter Mahomes dentro do pocket e força-lo a erros.

Apesar de ser calouro, DE Nick Bosa já é um dos melhores defensores da NFL (Foto: Ezra Shaw/Getty Images)
  • Entrar forte

Como destaquei durante a análise do Chiefs, essa equipe de Kansas City perdeu os primeiros 15 minutos de ambos os jogos de janeiro por um placar somado de 31-7. Somando os primeiros 30 minutos de ambos os jogos do 49ers em janeiro, o placar é de 41-10 para os californianos. Sabem que seu adversário não consegue entrar em campo com a mesma intensidade, e precisam capitalizar durante os primeiros minutos. Acredito que isso seja fundamental para uma vitória de San Francisco no Hard Rock Stadium.

  • Secundária jogar de maneira impecável

Esse grupo de defensive backs ainda tem problema na posição de CB2, ao passo que CB Emmanuel Moseley e CB Ahkello Witherspoon ainda revezam essa titularidade, entretanto, acredito que a secundária dos Niners tem capacidade de limitar Mahomes. Sherman tem duas aparições de Super Bowl na carreira, experiencia não falta, e gosto bem mais de quanto as defesas jogam em zona contra os velozes Hill e Watkins em comparação com unidades que optam pelo man-to-man. Se a secundária jogar de maneira impecável, as chances do time de triunfo no Super Bowl LIV crescem de maneira gritante.

Dica do Tipster

Separei três pontos que me fazem acreditar que o San Francisco 49ers vencerá o Super Bowl LIV.

 DEFESAS AINDA VENCEM CAMPEONATOS | Uma das frases mais conhecidas no mundo da bola oval é “ataques vencem jogos, defesas vencem campeonatos”. Nos últimos anos, em meio a importância constante que vem sendo colocada nos spread offenses e em tudo que lhe engloba, a frase passou a não ter o mesmo peso, mas particularmente ainda acredito que se encaixa na ocasião.

Nos 20 jogos de Super Bowl em que havia em campo uma defesa top-2 daquela temporada, em 15 o time com defesa top-2 venceu. E como já citado neste prognóstico, 49ers é detentor da segunda melhor defesa da NFL — tendo ficado atrás apenas do New England Patriots. A superioridade que a linha defensiva de San Francisco conseguiu impor em todos os seus jogos nesta temporada foi algo que não víamos há bons anos, e o fato dela estar completamente saudável e em sua melhor fase é algo que empolga muito.

Mahomes sem dúvidas vai conseguir uma big play aqui ou ali, estamos falando do melhor quarterback da NFL, entretanto, o fato de Kansas City ter um ataque praticamente unidimensional facilita as coisas para o Saleh. Gosto de como os californianos entram nesse jogo, com uma defesa física, sólida, que chega no quarterback, para qualquer jogo terrestre e força turnovers.

INCONSISTÊNCIA DO CHIEFS x CONSISTÊNCIA DO 49ERS | Chegar em janeiro e ceder 24 pontos em menos de 20 minutos para o Houston Texans não me transmite confiança. Ok, ocorreu a virada, mas ainda assim quem garante que vão entrar em campo na semana seguinte e evitar algo parecido? Foram lá na semana seguinte, e rapidamente estavam novamente precisando de uma virada. Uma hora a sorte acaba, e chegar no Super Bowl com falhas nunca é algo positivo.

Em nenhum momento de janeiro vimos San Francisco demonstrando erros. Foi o melhor time de toda a temporada pontuando em seu primeiro drive ofensivo, Shanahan costuma montar o script ofensivo inicial de maneira impecável enquanto que a defesa cede em média 8.3 pontos no primeiro tempo por jogo. É um time que me aparenta ser bem mais preparado nesse momento.

 JOGO TERRESTRE | Após a vitória no AFC Championship, vi muitos dizendo que Chiefs havia conseguido parar RB Derrick Henry (TEN) e que saberiam defender o jogo terrestre de San Francisco no Super Bowl LIV. Cederam 69 jardas e 1 touchdown para um running back e uma linha ofensiva que já estavam viajando e jogando fora de casa há quatro partidas consecutivas, destaquei que Tennessee iria se cansar e acredito bem mais que isso tenha ocorrido, do que defesa do Chiefs, que cedeu média de quase 140 jardas terrestres por partida em 2019, tenha aprendido como defender o inside zone da noite pro dia mesmo com desfalques em seu front-7.

49ers vai ter sucesso no jogo terrestre, tanto atacando quanto defendendo. De acordo com o Football Outsiders, Kansas City tem a quinta linha ofensiva mais ineficiente da NFL no jogo terrestre. Contra Bosa & Cia, não vejo-os tendo sucesso. No outro lado da moeda, temos Shanahan e seu backfield que produziu 29 touchdowns corridos em 18 jogos na temporada. Ter vantagem no jogo terrestre possibilita manter o ataque em campo, controlar o relógio, e esfriar o ataque adversário mantendo-o na sideline. E confio bem mais na capacidade de San Francisco de conseguir esse objetivo.


Aposta Odds Unidades Casa de Aposta Status
San Francisco 49ers para vencer 2,10 2

Comentários estão fechados.