Unidades Variáveis ou Stake Fixa, Qual o Melhor?

O caminho para se tornar um apostador profissional é como a construção de uma ponte que te leva do ponto A (Apostador Iniciante) para o ponto B (Apostador Profissional). Ponte essa que temos que encontrar onde está o próximo bloco de cimento a ser colocado nela, como sendo aquele ponto a mais de conhecimento que precisamos ter para chegar onde almejamos.

Nessa empreitada passamos por ter um método consistente, saber seu % de acerto médio e trabalhar com odds mínimas que condizam com o mesmo, ter disciplina e controle emocional, e por fim, uma gestão que maximize o potencial do trabalho que vem sendo feito.

Para realizar essa análise comparativa peguei todos os meus números das apostas em ligas nacionais e na Champions League, todas apostas enviadas no grupo de picks do QueroApostar de Janeiro a Maio deste ano.

Dê play no vídeo abaixo e, conforme eu for explicando as coisas nele, você vai descendo a tela aqui para ter melhor visão das imagens utilizadas na gravação:

Bank Inicial e Gestão Aplicada:

O bank inicial estipulado foi de R$5 mil reais, sendo que a divisão das unidades foi de 0,5 a 2,5%, sendo:

1/5 unidade = R$25

2/5 unidade = R$50

3/5 unidade = R$75

4/5 unidade = R$100

5/5 unidade = R$125

Para o bank com unidade fixa, a stake utilizada foi equivalente à aposta de 5/5 unidades – R$125 portanto. Com exceções, como no caso de arriscar em uma e outra aposta, aí utilizei 1 unidade como investimento. Na Champions League, por não ser uma competição que entra em nosso método de análise, sendo muito mais subjetiva, também trabalhamos com meia stake – R$62,5.

Por quê utilizei esses valores de stake?

Nosso planejamento de bankroll deve ser sempre pensado no pior cenário possível. Então levei em conta os swings (pontos negativos) máximos que tive nas últimas duas temporadas e adicionei ainda um pouco mais de margem como segurança já que estamos falando de um mercado extremamente volátil e sem garantia de que nossos resultados passados se repetirão no futuro.

Desta forma o estipulado para trabalhar foi com uma stake máxima de 2,5%, sendo que, teria de fazer o move down caso perdesse 50% do bank (20 stakes para baixo ou 100 unidades) e faria o move up caso dobrasse o bank (40 stakes de lucro ou 200 unidades)

Resultados Obtidos – Com Unidades Variáveis:

 

Resultados Obtidos – Com Stake Fixa:

Como podemos ver pelas duas imagens acima, o crescimento do bank foi bem mais expressivo utilizando stake fixa em nossas apostas. O lado positivo de adotar stake fixa é que ele é a forma mais fiel de abraçar nosso método de análise já que, apostando sempre o mesmo, potencializamos a equação: % de acerto x odds média.

Porém, um ponto que nos vem à mente é: e quanto ao risco? Já que estou apostando sempre 5 unidades em minhas apostas, não corro mais risco de quebrar?

Isso, claro, depende dos seus números e do seu método, vejamos como eu me saí nisso:

Swing Máximo – Com Unidades Variáveis:

Swing Máximo – Com Stake Fixa:

 Ponto Mínimo

Como disse lá em cima, o ponto mais importante para planejarmos nossa gestão de bank é saber quais foram os pontos mais baixos que atingimos em um longo período de tempo. Assim conseguimos projetar o peso da variância em nosso trabalho e nos proteger do mesmo.

Observe que nos dois casos, nosso ponto mínimo ficou bem próximo e conseguimos ter pouquíssima variância negativa, ficando no pior cenário, ainda bem perto do nosso bank inicial.

Isso é extremamente positivo e mostra que nossa gestão está bem ajustada!

Com ponto mínimo próximo e lucro bem maior, a stake fixa ganha mais um ponto a seu favor.

A Importância de um Método Consistente, do Registro de suas Análises e do Range de Odds Adequado

Já estando nesse mundo desde 2012, tenho montanhas de dados para analisar, ainda que os que eu realmente considere nessa minha análise do % de acerto sejam os números de 2015 para cá, que foi quando nosso método de análise se mostrou realmente maduro, entendendo as nuances de cada liga.

Nesses dois anos e meio de trabalho, a minha média de acerto está em 55,5%. Ok. E agora, como descubro qual deve ser minha odds média pra eu ter expectativa de lucro no prazo?

É bem simples, basta dividir 100 pela sua média de acerto. Logo: 100 / 55,5 = 1,80. Portanto, a minha odds mínima de trabalho precisa ser 1,80 e foi exatamente esse ponto que me fez ser lucrativo ao invés de amargar um prejuízo nesse semestre, pois meu % de acerto foi abaixo da minha média histórica:

Esse aqui é um ponto muito importante daquilo que sempre batemos na tecla: confie na sua análise!

Se a sua análise está te dizendo para ir na vitória da Real Sociedad contra o Barcelona, vá!

Se ela te diz que será Under 2,5 um jogo como Atlético Mineiro x Flamengo, vá!

Eu sei que como seres humanos somos inclinados a ceder ao medo e prezar pelo seguro, mas no mundo das apostas esportivas – bem como na vida – é ser corajoso que irá te trazer frutos.

Só não confunda isso com fazer loucuras, entenda que o teor da conversa aqui é: confie na sua análise e aposte, mesmo com medo de ser uma escolha arriscada.

Veja que foi esse comportamento que me levou a ter uma média de odds tão alta no último semestre e assim ficar bem lucrativo no período:

 

Conclusão do Estudo

Já tendo absorvido as etapas de ter um método de análise consistente, saber a odds mínima que devo trabalhar e ter disciplina para seguir as apostas que a análise me indicar, vejo que a forma que potencializa o meu trabalho é trabalhar com stake fixa uma vez que aliou maior lucro e seguiu mantendo alta segurança em meu bank – ainda farei um levantamento com meus números das últimas duas temporadas para ter certeza disso, bem como identificar pontos onde não utilizar a stake cheia, como no começo da temporada, onde acredito que o melhor é trabalhar com meia stake.

Porém, isso não é uma verdade absoluta, não significa que agora o certo para todo mundo é também utilizar stake fixa em suas apostas. Cada caso é um caso e depende da metodologia de trabalho que cada um traz consigo.

A principal mensagem desse artigo é abrir os olhos de todos quanto a essa possibilidade e te levar a realizar essa análise em seus números.

Para ter acesso ao meu método de análise adquira o livro “Aprendendo Apostas Esportivas Vol II – Tornando-se um Profissional”, ou, se prefere ter acesso à todas as minhas apostas, entre para o grupo de picks do QueroApostar. Você encontra ambos os produtos na Loja do Apostador.

Deixe nos comentários a sua vivência e qual a sua preferência de trabalho: unidades variáveis ou stake fixa.

Forte Abraço!!

Gustavo Maturano

Engenheiro formado, amante de futebol europeu e esportes americanos, trabalha com a aprimoração de um sistema para análises de jogos a fim de ajudar quem tem pouco para investir a construir um caixa grande.

Posts Relacionados